Pai acredita que mãe mentiu sobre anticoncepcional e registra a filha com nome do remédio

O homem registrou a filha com o nome do anticoncepcional em protesto contra a mãe do bebê.

Foto: Divulgação

A escolha do nome do bebê é um dos momentos mais conflituosos de uma gestação, mas, antes do bebê nascer é importante que o nome já esteja escolhido, pois logo após o parto, ainda no hospital, a criança já começa a ser chamada pelo nome.

Homem alterou o nome escolhido para a filha

Na maioria dos casos é o pai do bebê quem realiza o registro de nascimento da criança no cartório, porém, em um caso atípico o pai de uma menina decidiu se rebelar e em protesto contra a mãe de sua filha, registrou a menina com o nome do anticoncepcional que a mulher usava quando engravidou.




Segundo informações, a mulher teria afirmado que fazia uso do anticoncepcional e mesmo assim engravidou. O homem acredita que ela mentiu sobre o uso do medicamento, ficou furioso com a gravidez e descontou sua raiva no nome da filha. Segundo a mãe da menina, ela teria ficado muito chocada ao descobrir que o nome que os dois haviam acordado não estava no documento. Para a mulher, a atitude do pai de sua filha foi lastimável.

A criança recebeu o nome de um anticoncepcional

Para tentar consertar a situação, a mulher entrou na Justiça e pediu que o nome da criança fosse alterado. O maior medo da recém-parida era de que sua filha sofresse algum tipo de bullying quando as pessoas descobrissem o motivo que levou seu pai a registra-la com o nome de um anticoncepcional.




A mulher perdeu em primeira instância, então o caso foi levado ao STJ, onde foi unânime a decisão de que a mulher finalmente poderia colocar o nome que foi escolhido em sua filha. Os documentos da menina seriam alterados e finalmente a criança poderia ser batizada.


Fonte: 1 News \ UOL